Jonas Vingegaard responde às críticas de Remco Evenepoel e Tadej Pogacar: "Não foi falta de coragem, foi apenas uma corrida inteligente"

O nono dia da Volta a França pôs em evidência as qualidades dos ciclistas nos setores de todo-o-terreno, as tácticas de equipa e a força. A Team Visma | Lease a Bike foi sem dúvida a equipa mais forte e isso permitiu a Jonas Vingegaard não perder tempo para os seus rivais. Ele responde às críticas de Remco Evenepoel e Tadej Pogacar, que não gostaram da tática extremamente defensiva do trepador dinamarquês durante o dia.

"Sinto-me muito bem. Sinto que estou a crescer. Estou a ficar cada vez melhor. Estou a um nível elevado, muito mais elevado do que alguma vez esperei com apenas um mês e meio de preparação", disse Vingegaard ao Het Nieuwsblad. Terminou a primeira semana do Tour com 1m15s de atraso em relação a Tadej Pogacar, mas não especifica o tempo máximo que poderia ter perdido nestes 9 dias de corrida: "Não consigo calcular esse valor. No ano passado, ganhei sete minutos em dois dias. Agora não sabemos como vou reagir na terceira semana. Veremos dia a dia. Claro que quanto mais perto estiver, melhor. Mas no ano passado confiei no nosso plano. Resultou. Também confio no plano deste ano".

Depois de um ataque inicial, Remco Evenepoel criou uma distância sobre o pelotão e foi apanhado por Pogacar e Vingegaard por trás. O trio tinha uma grande diferença em relação ao grupo perseguidor, mas foi apanhado porque o dinamarquês se recusou a trabalhar. Evenepoel foi muito crítico em relação a este facto no final da etapa: "Eu e o Tadej não ficámos nada satisfeitos. Tive mesmo a sensação de que o pódio final do Tour já podia ser determinado aqui. Infelizmente, temos de aceitar isso, embora eu ache que, por vezes, é preciso mostrar coragem na corrida. Infelizmente, Jonas não teve isso. Infelizmente, fazia parte do plano deles".

Jonas Vingegaard responde às críticas de Remco Evenepoel e Tadej Pogacar: "Não foi falta de coragem, foi apenas uma corrida inteligente"
Vingeggard na roda de Pogacar

Vingegaard respondeu diretamente a dois ataques durante o dia e, de cada vez, não foi para a frente do grupo. Ele explica porque se recusou a trabalhar no ataque inicial que poderia ter criado uma grande diferença entre o pódio do Tour e os restantes. "Se eu pedalasse com eles durante setenta quilómetros e depois fosse deixado para trás nos últimos quilómetros - o que também aconteceu - então o meu Tour poderia estar acabado. Por isso, não foi falta de coragem, mas apenas uma corrida inteligente."

Mais tarde, Pogacar atacou num dos últimos setores da etapa, conseguindo uma vantagem sobre os restantes, mas foi alcançado por Christophe Laporte e Matteo Jorgenson, que trouxeram Vingegaard de volta. Pogacar, Vingegaard e Jorgenson tinham uma vantagem sobre os restantes, incluindo Remco Evenepoel, mas mais uma vez a Visma recusou-se a trabalhar mesmo com dois ciclistas. As palavras de Pogacar foram muito claras: "Penso que foi uma grande oportunidade para ganharmos algum tempo ao resto dos favoritos da classificação geral e garantir o pódio, mas Jonas recusou-se a cooperar. Penso que o Visma está apenas a concentrar-se em mim e a subestimar os outros candidatos à CG. Eles só me seguem a mim, sem pensar no Primoz ou no Remco".

"Não vejo apenas o Pogacar como adversário", responde Vingegaard, apesar de não ter sido isso que aconteceu na tarde de domingo, já que a equipa não tentou ganhar tempo a Primoz Roglic nem a Remco Evenepoel quando ambos foram deixados para trás em várias ocasiões. "Todos os dez primeiros são adversários. Ontem não queríamos perder tempo. Talvez as outras pessoas não entendam as nossas táticas, mas isso é problema deles."

Place comments

666

0 Comments

More comments

You are currently seeing only the comments you are notified about, if you want to see all comments from this post, click the button below.

Show all comments