Peter Sagan sobre as grandes decisões da sua carreira: "Prefiro ter três campeonatos do mundo do que uma Volta à França"

Peter Sagan anunciou a sua reforma do ciclismo profissional, mas ainda o vamos poder ver durante a época de 2024. O ex-campeão do Mundo vai correr pela equipa RRK Group - Pierre Baguette - Benzinol e apontar para os Jogos Olímpicos de BTT, e o Eslovaco faz uma retrospetiva da carreira.

Perguntaram-lhe se alguma vez tinha tido o objetivo de tentar ganhar a Volta à França. "Ah bem, nunca tive isso na cabeça. Já estava a fazer muitos sacrifícios pelo ciclismo. Porquê mudar algo que está a funcionar bem? Se tenho de ir para uma Grande Volta, tenho de perder oito, nove, 10 quilos... Prefiro ter três campeonatos do Mundo do que uma Volta à França", disse Sagan ao Bicycing. Uma estrela do rock e um ciclista de uma geração, Sagan conquistou 7 camisolas verdes do Tour, 3 títulos consecutivos no Campeonato do Mundo, Paris-Roubaix, Volta à Flandres e mais de 100 vitórias profissionais, a par de uma atenção mediática constante. Um ciclista que surge uma vez por geração, e o seu legado perdurará nos livros de história do ciclismo.

A grande vitória que não acrescentou ao seu palmarés foi a Milão-Sanremo, uma corrida em que foi várias vezes o principal favorito, mas em que não conseguiu colocar todas as peças do puzzle no dia certo. "Se fores muito bom, Flandres e Roubaix, podes ganhar por causa das pernas. E não se ganha Milão-Sanremo por causa das pernas. Perdi-o muitas vezes quando era o melhor no dia." As tácticas e o facto de ser o homem marcado prejudicaram-no, tal como aconteceu ao longo de toda a sua carreira - devido à sua primavera forte. Apesar disso, conseguiu construir uma carreira incomparável.

Mas nos últimos anos, apesar de manter números semelhantes, deixou de poder correr ao lado dos melhores. "Penso que o nível geral do grupo aumentou. Antes, era individual: Eu sou forte, tu és forte, e três ou quatro de nós vamos lutar na final. Agora, todo o grupo está a ser rápido. É isso que está em causa. A força do pelotão, toda a gente está ao mesmo nível". E esse nível é extremamente elevado. Sagan lutou ao lado de nomes como Greg van Avermaert e Sep Vanmacke, por exemplo, que também tiveram dificuldades em competir nas clássicas empedradas nos últimos anos das suas carreiras.

Sagan também comentou os testes de doping na longa reportagem, detalhando a quantidade de procedimentos a que os ciclistas são submetidos ao longo da época, apesar de admitir que é testado menos do que nos seus melhores anos, 6 ou 7 vezes em casa, mas mais de 50 vezes durante as corridas: "Até pensar nisso é estúpido agora, porque [os testadores] estiveram [no hotel]", explicou na reportagem. "Temos uma aplicação para dizer onde estamos a dormir todas as noites. Com este sistema, é estúpido arriscar alguma coisa, porque se perderia tudo."

Deixe um comentário

666

0 Comentários

Mais comentários

Você está vendo apenas os comentários sobre os quais foi notificado, se quiser ver todos os comentários deste post, clique no botão abaixo.

Mostrar todos os comentários