Bart Wellens aponta um erro de cálculo óbvio no debate de David Lappartient: "Mathieu van der Poel, Wout van Aert e Tom Pidcock deixariam subitamente de poder competir no Campeonato do Mundo?"

David Lappartient fez declarações muito preocupantes sobre o ciclocrosse numa entrevista recente. Entre elas, a possibilidade de não permitir que os pilotos que não participem em todas as etapas da Taça do Mundo participem nos Campeonatos do Mundo. Bart Wellens, uma lenda do desporto, salienta o facto de isso excluir as principais estrelas do ciclocrosse da competição.

"Se um ciclista de ciclocrosse preferir uma competição nacional enquanto houver uma Taça do Mundo, não participará na próxima Taça do Mundo e, por conseguinte, também não participará no Campeonato do Mundo de ciclocrosse", disse Lappartient numa entrevista à DirectVelo. "A Taça do Mundo não é uma competição onde se pode escolher o que se quer correr. Toda a gente tem de participar". No entanto, não é esse o caso, nem para a maioria dos profissionais experientes, nem para aqueles que combinam o CX com a estrada - o que é o caso da maioria dos ciclistas de topo, masculinos e femininos.

"Acho que estão a entrar em pânico na UCI", diz Wellens ao Wielerflits. "Então, Mathieu van der Poel, Wout van Aert e Tom Pidcock deixariam subitamente de poder competir no Campeonato do Mundo? E Fem van Empel também não? Claro que isso não faz sentido". No entanto, é para essa lógica que Lappartient aponta, embora o seu objetivo seja, no papel, pressionar os ciclistas a correrem as 14 rondas. A expansão de 9 para 14 rondas nos últimos anos é uma das razões pelas quais os ciclistas saltam corridas, de modo a poderem descansar e treinar ao longo da época.

"Penso que eles têm de compreender que é necessário tomar medidas. Há muito que o dizemos; a estrutura da Taça do Mundo não está bem montada", afirma Wellens, reproduzindo as palavras de outros ciclistas, como por exemplo o líder da Taça do Mundo, Lars van der Haar. "Agora está demasiado ocupado. Sabíamos isso desde o primeiro dia. É muito difícil fazer todos os domingos ao mesmo tempo. Este ano, isso é ainda mais notório devido a uma série de deslocações de grandes dimensões. O Campeonato do Mundo tem de continuar a ser algo de especial. Mas eles próprios estragaram tudo devido ao excesso de oferta. Costumava-se ter orgulho em poder participar no Campeonato do Mundo. Acho que, atualmente, ninguém tem esse orgulho".

Em vez disso, alguns cavaleiros tomaram facilmente a decisão de saltar rondas. As Taças Superprestige e X20 Badkamers Trofee continuam a ter calendários mais pequenos e são mais fáceis de seguir. Bart Wellens acredita que a solução é muito óbvia, embora não seja a que a UCI tem em mente: "Para mim, a única opção é limitar. Voltar a ter oito a dez corridas no máximo, de setembro a fevereiro".

"Não apenas durante o período de Natal. Por exemplo, há um cruzamento de vez em quando e, nesse fim de semana, só pode ser organizada essa ronda do Campeonato do Mundo. Nessa altura, talvez alguns organizadores belgas desistam. É pena, mas neste momento, por vezes, há demasiadas coisas na Bélgica. Penso que é preciso refletir sobre isso".

Place comments

666

0 Comments

More comments

You are currently seeing only the comments you are notified about, if you want to see all comments from this post, click the button below.

Show all comments

Most read