ANTEVISÃO - Volta a França 11ª Etapa - Teremos uma aliança entre Pogacar e Evenepoel para pôr Vingegaard à prova?

Uma etapa complicada e difícil. A corrida vai para as montanhas mais uma vez, mas ao 11º dia de competição elas são curtas e explosivas. Fazemos a antevisão do dia que se irá passar no Maciço Central, onde é de esperar que os ciclistas da classificação geral tentem alguma coisa, mas o mais provável será uma fuga ter sucesso no dia.

No Maciço Central, a corrida dirige-se agora para sul, em direção aos Pirinéus. O início da etapa de 211 quilómetros é plano, mas o final é bastante montanhoso com quatro subidas categorizadas.

ANTEVISÃO - Volta a França 11ª Etapa - Teremos uma aliança entre Pogacar e Evenepoel para pôr Vingegaard à prova?
Etapa 11: Évaux-les-Bains - Le Lioran, 211 quilómetros

É um dia de transição, bem adequado para uma fuga, mas com um início plano que certamente não facilitará as coisas. 211 quilómetros em cima da bicicleta farão com que seja um dia longo, com um final difícil onde os trepadores e os ciclistas de clássicas virão para a frente. Se os homens da CG encontrarem uma abertura, a luta pode facilmente explodir neste tipo de terreno.

O Maciço Central apresenta estradas traiçoeiras e um desafio diferente do das altas montanhas, que alguns poderão querer aproveitar. Os últimos 50 quilómetros da etapa têm quatro subidas difíceis. A primeira é o Col de Neronne, com 3,9 quilómetros de extensão a 8,6% de inclinação média, que termina a 42,5 quilómetros do fim e não há descidas antes da próxima subida.

Trata-se do Puy Mary Pas de Peyrol, com 5,3 quilómetros de extensão e 7,8% de inclinação média, com o topo a 31 quilómetros do fim. Mas esta é uma subida muito perigosa, pois as inclinações vão até aos 16% perto do alto e os ciclistas entram imediatamente numa descida técnica e íngreme diretamente para o inicio da subida seguinte. É um local privilegiado para um ataque explosivo.

Após a descida, há o Col de Pertus, com 4,5 quilómetros a 8,2% de inclinação média e o seu topo fica a apenas 14,5 quilómetros da meta. O pelotão pode explodir completamente nesta subida.

Depois de uma pequena subida, chega a última subida do dia, a mais fácil das quatro - se assim pudermos dizer - pois devemos acrescentar o facto de que o cansaço já será alto nesta fase do dia. O Col de Font de Cère tem 3,4 quilómetros a 5,6% de pendente média e termina a apenas 3 quilómetros do fim. É quase uma chegada em alto, pois segue-se apenas uma pequena descida e depois uma ligeira subida até à meta instalada em Le Lioran-

ANTEVISÃO - Volta a França 11ª Etapa - Teremos uma aliança entre Pogacar e Evenepoel para pôr Vingegaard à prova?
ANTEVISÃO - Volta a França 11ª Etapa - Teremos uma aliança entre Pogacar e Evenepoel para pôr Vingegaard à prova?

O Tempo

ANTEVISÃO - Volta a França 11ª Etapa - Teremos uma aliança entre Pogacar e Evenepoel para pôr Vingegaard à prova?
Mapa Tour de France 2024 etapa 11

O Tempo

Dia relativamente quente, mas espera-se chuva. Talvez a maior parte da chuva caia de manhã, antes do início da prova. Se esse for o caso, poderemos ter estradas molhadas. Haverá algum vento de oeste, o que significará um vento de lateral durante a maior parte do dia e uma tendência relativa de vento de costas nos últimos quilómetros e nas subidas da etapa.

Os Favoritos

Luta pela CG - No final, independentemente do que aconteça, esta é a questão mais importante do dia. Após a etapa 9, podemos dizer com certeza que tanto Tadej Pogacar e Remco Evenepoel estão irritados com Jonas Vingegaard e sua corrida defensiva. Nas longas subidas e nas altas montanhas não há hipótese de o surpreender, mas em etapas como esta é possível que tal aconteça. Os dois podem tornar-se aliados, mas ainda assim eles teriam que conseguir fugir ao dinamarquês para que tal pudesse acontecer e essa será a parte difícil da equação, porque Vingegaard é muito focado e não deixa Pogacar ir a lado nenhum... sozinho.

No topo da penúltima subida categorizada não nos surpreenderia ver Evenepoel atacar num qualquer momento de acalmia na corrida. A UAE, embora não seja muito provável, também podem querer aproveitar este dia em que se espera que uma fuga ganhe e tentar meter Adam Yates, João Almeida ou Juan Ayuso na fuga. É uma parte inicial plana, por isso não será fácil, mas se o fizerem e conseguirem colaboração na frente, a Visma ficará sob pressão. Nenhuma outra equipa, incluindo a Quick-Step, está neste momento a disputar a vitória na corrida, por isso podemos esperar continuar a ver a UAE contra a Visma e nalgum momento da corrida a UAE terá de tentar começar a usar os seus números. Quanto ao resto, não é esperada muita ação, será um dia para marcar passo. Poderemos ter homens do Top 20 a tentarem entrar na fuga, pois será um dia em que eles podem ganhar minutos e subir alguns lugares na tabela classificativa.

Mas com um inicio plano, é quase uma lotaria saber quem entrará na fuga do dia. Há alguns ciclistas que terão de usar as estradas planas em seu benefício, não só para estar na frente, mas para obter alguma vantagem antes das grandes subidas, a fim de tentar lutar pela vitória na etapa. Ciclistas como Michael Matthews, Stefan Küng, Ben Healy, Victor Campenaerts, Alex Aranburu ou Jonas Abrahamsen podem sobreviver às subidas com os homens certos. Mathieu van der Poel e Soren Kragh Andersen também estarão de olho na oportunidade que este dia lhes poderá proporcionar, para trazer uma segunda vitória consecutiva para Alpecin.

Depois temos outros ciclistas que vão depender totalmente das subidas para fazer a diferença. David Gaudu, Simon Yates e Stephen Williams podem atacar e passar bem num dia como este, mas a forma física deles é uma incógnita e poderão ter problemas entre as subidas.

Em suma, há muitos homens em forma que são trepadores ou puncheurs e são todos opções válidas para uma vitória. Algumas equipas têm muitas opções, como a EF, que tem Richard Carapaz, Rui Costa, Alberto Bettiol e Neilson Powless, ou a DSM que tem Romain Bardet que estará motivado, Warren Barguil, Frank van den Broek e Oscar Onley. Tom Pidcock, Maxim van Gils, Oier Lazkano, Kévin Vauquelin e Alexey Lutsenko são nomes a levar em conta no dia.

Por último, mas não menos importante, há mais algumas cartas que não podemos deixar de fora, que nas circunstâncias certas podem levantar os braços no final do dia, mas não os colocaríamos num patamar tão alto quanto seus rivais: Toms Skujins, Wout Poels, Jesús Herrada e Tobias Johannessen.

Previsão Volta a França 11ª Etapa

*** Richard Carapaz, Maxim van Gils, Romain Bardet
** Tadej Pogacar, Simon Yates, Alexey Lutsenko, Tom Pidcock
* Remco Evenepoel, Jonas Vingegaard, Primoz Roglic, David Gaudu, Alberto Bettiol, Ben Healy, Rui Costa, Stephen Williams, Oier Lazkano, Kévin Vauquelin, Warren Barguil, Frank van den Broek

Escolha: Romain Bardet

Place comments

666

0 Comments

More comments

You are currently seeing only the comments you are notified about, if you want to see all comments from this post, click the button below.

Show all comments